Universidades do país apresentam melhora em índice de avaliação geral

Fonte: G1

Índice de instituições abaixo da média do IGC caiu de 32,7% para 17,2%. Apenas 1,1% das universidades alcançaram nota máxima, segundo MEC

 

As instituições de ensino superior apresentaram uma melhora no Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC), segundo dados divulgados nesta segunda-feira (2) pelo Ministério da Educação, em Brasília. O índice é um indicador de qualidade de instituições de educação superior, que considera a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado e doutorado). Foram avaliadas 2.171 instituições, entre universidades, faculdades e centros universitários.

O índice tem notas de 1 a 5. Instituições com IGC 1 ou 2 estão abaixo da média. O IGC considera a avaliação dos cursos das instituições do último triênio. Assim, em 2012, segundo dados do MEC, 17,2% das instituições ficaram abaixo da média. Na comparação com 2009, quando foram avaliados os mesmos cursos, este índice era de 32,7%.

O número de instituições com índice satisfatório (nota 3), subiu de 44,3% em 2009 para 57,8% em 2012. Com nota 4 também houve uma melhora, de 5,8% em 2009 para 14,5% em 2012. Já com o índice máximo (nota 5), houve ligeira queda, de 1,2% em 2009 para 1,1% em 2012.

“São poucas as instituições no Brasil que chegaram a esse nível 5, que é o nosso maior nível de excelência”, afirmou o ministro da Educação Aloizio Mercadante.

O IGC é a ponta final de uma série de índices, entre eles o Conceito Preliminar de Cursos (CPC), que é a avaliação dos cursos de graduação tendo como base o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). Já a parte de pós-graduação considera  a realização do acompanhamento anual e da avaliação trienal do desempenho de todos os programas e cursos que integram o Sistema Nacional de Pós-graduação feito pela Capes.

O MEC também divulgou os dados do CPC.  Foram avaliados 8.184 cursos de 1.762 instituições – as notas que variam de 1 a 5. No total, 0,2% das instituições obtiveram nota 1, 11,8% nota 2, 48,4% nota 3, 21,7% nota 04 e 1,5% nota 05.

O ministro Aloizio Mercadante afirmou que há “evolução muito positiva em todos os conceitos”. Na avaliação do ministro, em “todos os níveis” há melhora de qualidade.

“Em 2009, tínhamos 5,9 milhões de estudantes nas áreas avaliadas, agora, em 2012, 7,3 milhões de estudantes. Houve uma evolução muito positiva, muito importante em termos de inclusão de estudantes. Estamos melhorando significativamente a qualidade, colocando mais de um milhão de pessoas na sala de aula”, afirmou o ministro.

O CPC avalia as notas no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) (55%), infraestrutura e instalações (15%), recursos didático-pedagógicos e corpo docente (30%). Desempenho dos alunos. Os cursos recebem conceitos de 1 a 5.

Cursos com conceitos 1 ou 2 estão sujeitos a medidas administrativas, entre elas a suspensão da abertura de novas vagas por meio de processos seletivos. Ou seja, a universidade pode fazer vestibular em geral, mas não pode ofertar vagas no processo seletivo em cursos que foram suspensos.

“Houve uma importante melhora dos cursos. Há uma grande concentração nas nota 3 e 4, que são os índices satisfatórios, e redução drástica nos cursos com grau insatisfatório, mesmo até porque com [notas] 1 e 2 ou a gente fecha cursos ou congela vagas”, disse o ministro.

Suspensão de vestibulares
De acordo com o ministro, o MEC deve divulgar na próxima quinta-feira (5) a lista das instituições que tiraram notas 1 e 2 tanto no CPC quanto no Índice Geral de Cursos (IGC) e que não poderão realizar vestibular em determinados cursos a partir do ano que vem.

“Quem tirou 1 e 2 aqui [tanto no CPC quanto no IGC] fecha vestibular, não tem mais . (…) A gente não pode fechar o curso todo, mas é uma mensagem muito forte. Ela [a instituição] perde autonomia para criar cursos, aumentar vagas, enfim, ela perde autonomia”, afirmou Mercadante.

Ainda segundo o ministro, as decisões tomadas pelo MEC em relação às instituições que obtiveram notas 1 e 2 serão publicadas na edição de sexta-feira (6) do “Diário Oficial da União”.

Mercadante disse em 19 de novembro que o MEC irá fechar de mais de 200 novos vestibulares de cursos de instituições superiores de educação que obtiveram índice insuficiente no Conceito Preliminar de Curso (CPC). Em 2012, MEC fechou os vestibulares de 207 cursos, o que provocou o congelamento de 38.794 vagas no ensino superior.

Rendimento
O Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular divulgou, na noite desta segunda-feira (2), um comunicado em que aponta que o Enade, que equivale a 70% do conceito do CPC, é necessário para a obtenção do diploma, mas o bom rendimento não é exigência. “Todos os anos, há boicotes por parte dos estudantes à avaliação”, diz a nota.

Segundo o assessor do Fórum, Sólon Caldas, afirmou no comunicado, o CPC foi criado para ser um conceito preliminar, que deveria determinar se a instituição precisa ou não de supervisão, para, a partir da avaliação de especialistas, consolidar o Conceito de Curso. No entanto, aponta, “as notas são dispostas em uma curva onde sempre haverá mais ou menos 20% das instituições com notas 1 e 2 e 20% com notas 4 e 5. A maior parte, 60% deve obter conceito 3”, de modo que, não é possível definir se uma instituição é boa ou ruim. “O que se consegue fazer é comparar uma instituição em relação a outra”, avaliou Caldas.

Deixe um comentário

*

captcha *