MEC propõe que professores façam exame de aptidão para lecionar

Prova poderá ser feita durante a graduação ou depois dela. É mencionada a possibilidade de que a avaliação sirva para ingresso em concursos públicos

Fonte: GaúchaZH

O Ministério da Educação (MEC) apresentou nesta quinta-feira (13) uma proposta para a elaboração de uma nova base curricular para os professores. A ideia é que o documento seja referência para a produção de novas diretrizes curriculares da formação de docentes em todas as etapas da Educação Básica no Brasil.

Uma das principais propostas previstas é a possibilidade de que os professores precisem se submeter a um teste para que possam exercer a docência. Uma possibilidade é utilizar o resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). 

“Ele pode servir como habilitação à docência, se for obrigatório para todos os licenciandos e realizados todos os anos”, diz o documento.

Os alunos poderão fazer a prova durante a graduação ou depois dela. É mencionada ainda a possibilidade de que o exame sirva como parte do ingresso em concursos públicos.

O texto agora passará por análise do Conselho Nacional de Educação (CNE), assim como a recém-aprovada Base Nacional Curricular Comum (BNCC) do Ensino Médio, que define as diretrizes de ensino para os estudantes desta etapa.

Outra novidade apresentada é a substituição do estágio por uma residência pedagógica, promessa antiga no setor. A ideia é que os estudantes de licenciatura, assim como os de Medicina, aprendam também dentro do ambiente de trabalho, a escola,orientados por um professor experiente. A prática já é realidade em alguns colégios privados.

O estágio que hoje é feito pelos alunos foi considerado “totalmente desvinculado dos conteúdos curriculares e da prática profissional” pelo ministério. Na prática, o governo propõe que o aluno passe ao menos um dia da semana com atividades em uma escola conveniada. Cada instituição de ensino deverá ter associada uma ou mais escolas para a realização das atividades.

O texto dessa nova base prevê ainda a criação de um instituto nacional de acreditação para cursos de formação inicial, para garantir que eles estejam de acordo com a política nacional.

O documento trata de dez competências gerais e quatro específicas para os professores, em três diferentes dimensões: conhecimento, prática e engajamento profissional. 

“O bom professor precisa dominar essas competências e a sociedade precisa ter clareza do que se esperar do seu desempenho”, diz o ministério.

Estágio

A professora de História Julia Corrêa, de 28 anos, acredita que o estágio é fundamental para a formação do professor. 

— O estágio me fez enxergar a sala de aula por outro ângulo. Eu consegui me colocar no lugar do aluno e ao mesmo tempo no lugar do professor — disse.

Formada há quatro anos, a professora das redes pública e privada conta que começou a dar aula ainda durante o período em que fazia a faculdade e enfatiza que a universidade deve prezar pelas vivências práticas pedagógicas.

Júlia disse que fez estágio por um ano e que hoje convive com estagiários em sua sala de aula.

—  Gosto de ter estagiários em minha sala deaula. Eles ficam bem à vontade. Se quiser somente assistir à minha aula, pode assistir. Se tiver vontade de assumir uma aula é só combinarmos — explica Júlia.

Deixe um comentário

*

captcha *